Artigos

Um ano após a entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados é tempo de fazer uma reflexão sobre o que de melhor foi feito e o que ainda está por fazer. Neste evento em queremos mostrar casos implementados ou em fase de implementação, respetivas vantagens e lições aprendidas.

Neste evento vamos tocar nos pontos mais sensíveis, especialmente nas ineficiências, rigidez e custos dos ERPs (Enterprise Resource Planning) standard do mercado, do ponto de vista dos gestores das áreas de negócio.

A chegada da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) em 2020, como resultado da influência do GDPR europeu, vai impor alterações significativas nas organizações. A Quidgest, multinacional pioneira na gestão de proteção de dados na Europa, propõe uma nova abordagem

O novo regulamento europeu de proteção de dados pessoais já está em vigor desde 25 de maio de 2018. Qual o grau de conformidade das organizações com esta lei? Quais os passos ainda a dar? Como é que as empresas de tecnologia podem acelerar essa conformidade, criando vantagens competitivas?

A Rumos e a Quidgest estabeleceram uma parceria que visa a utilização da plataforma de modelação e geração automática de software, Genio, para a partilha de várias ações de desenvolvimento de conhecimento.

Desafiando todos os seus colaboradores, clientes, parceiros e amigos, a Quidgest promoveu a run IT, uma corrida solidária a favor da Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro.

A Quidgest comemorou, no dia 10 de maio, o seu 30.º aniversário e inaugurou as suas novas instalações, no n.º7 da Rua Viriato, em Lisboa.

A gestão dos dados pessoais, especialmente os mais sensíveis, é, atualmente, a principal preocupação dos gestores para cumprir a nova lei. Perante este cenário, a 3.ª sessão desta série de debates sobre a temática do RGPD/GDPR, vai ser dedicada aos dados e à gestão do ciclo de vida da informação.

A Quidgest e a Saphety prepararam uma oferta conjunta para dar resposta à obrigatoriedade legal de toda a Administração Pública passar a desmaterializar os processos de faturação até final de 2018.